Ao retornar ao Governo nesta segunda-feira, 9, em reunião com o novo secretariado e a vice-governadora Claudia Lélis, Marcelo Miranda falou sobre gestão anterior, a folha de pagamento e a nova jornada que o Estado do Tocantins tem pelo frente. O pagamento dos servidores que ainda não receberam, cerca de 40%, será realizado nesta terça-feira, 10, conforme anuncio do governador, que também garantiu dar continuidade aos pagamentos em dia.

Com uma nova equipe, Marcelo quer apresentar os projetos em curso e dar continuidade “sem correria”, no quer for viável. Sobre o programa Opera Tocantins, o então Governador falou que o feito é mérito da gestão. “As cirurgias eu já determinei que o secretário da Saúde dê continuidade ao projeto; o programa já existia, já estava apto a ser colocado em prática”, alfinetou acerca do governador interino, Mauro Carlesse, ter declarado o programa como seu legado em sete dias de gestão.

Miranda também comentou sobre as eleições e a liminar que garantiu seu retorno ao cargo após sua cassação. Ao ser questionado sobre a insegurança política que a situação traz ao estado, o governador disse que “o Tocantins é promissor, não queremos que a instabilidade reine, a sociedade pode ficar tranquila. Fomos eleitos democraticamente e estamos aguardando a decisão do TSE, mas estamos seguros, tenho convicção que vamos conseguir”.

O governador ainda disse que continuará respeitando a decisão liminar, porém, que irá recorrer, já que o Estado não pode parar. “O nosso retorno é pra cumprir e terminar o mandato, sou um cumpridor de leis”, declarou.

Os planos do partido MDB para as eleições regulares, de acordo com o Governador, “continuam os mesmos (…) gosto de desafios”, declarou quando questionado sobre sua candidatura à reeleição.

O MDB havia programado convenções com vistas às suplementares com possibilidade a discutir coligações.


Compartilhar:

Deixe seus Comentario